Marketing de Conteúdo

10 perguntas para Eduardo Correia, da SharpSpring

1) Fale um pouco sobre você: como você começou a carreira até chegar ao mundo do Marketing de Conteúdo?

Minha primeira formação acadêmica foi na área de Design. Trabalhei em algumas agências de publicidade no departamento de criação como diretor de arte. Mesmo trabalhando como designer durante vários anos, sempre busquei participar e colaborar do planejamento estratégico das
empresas onde trabalhei, e por este motivo resolvi me especializar em Marketing. Fiz meu MBA em Marketing Estratégico na USP e ali iniciei meus estudos sobre Inbound Marketing.

Criei minha própria agência de Marketing Digital com o desafio de criar uma plataforma de Automação de Marketing, porém, percebi que o plano era muito ambicioso naquele momento, e, ao invés de montar a própria ferramenta, resolvi buscar uma parceria nos Estados Unidos. Foi neste momento que conheci a SharpSpring, uma plataforma white label feita para agências de Marketing Digital, onde podíamos ter a nossa própria ferramenta de Automação de Marketing. Fomos a primeira agência a trazer a SharpSpring para o Brasil, e logo depois veio o convite para representálos aqui e em outros países da América Latina.

2) Como você vê o crescimento do mercado lá fora, nos EUA?

Segundo a pesquisa do Content Marketing Institute 2016, nos Estados Unidos 88% das empresas pesquisadas usam estratégias de Marketing de Conteúdo. Se trata de um mercado mais maduro em relação às estratégias e metodologia de Marketing, isso porque as empresas americanas são mais analíticas e utilizam a tecnologia alinhada ao conteúdo. Nos Estados Unidos, ferramentas de Automação de Marketing crescem a passos largos, e no Brasil ainda vemos uma mercado muito incipiente.

3) E no Brasil, quais são as perspectivas?

No Brasil, o Marketing de Conteúdo está ganhando mais visibilidade e as empresas começaram a entender a importância de produzir conteúdo relevante. Umas das previsões do Content Marketing Brasil é que muito em breve haverá mais oferta de conteúdo do que de consumo é
o que os americanos chamam de content shock. Neste cenário, as empresas terão que investir em conteúdos de qualidade, investir em tecnologia e ter inteligência estratégica para entender a jornada de compra do cliente e entregar um conteúdo cada vez mais segmentado e relevante. Apesar de estarmos vivenciando um período de recessão, eu acredito que o Brasil tem um grande potencial de crescimento. A SharpSpring está atuando em 26 países e atualmente somos o country partner que mais vende licenças da plataforma fora dos Estados Unidos. E, por este motivo, estamos tão
confiantes.

4) Neste contexto, onde as empresas mais pecam ao implementar o Marketing de Conteúdo?

Com a tecnologia atual, os profissionais de marketing conseguem mapear quase todo o comportamento dos visitantes no site, além de visualizar grande parte das interações entre o cliente e a empresa. Tendo acesso a todas essas informações, é possível criar conteúdos altamente
segmentados e de forma automatizada. Ainda vejo muitas empresas enviarem emails em massa sem qualquer filtro de segmentação, ou criar ações de marketing sem levar em consideração o estágio de compra que o cliente se encontra. As empresas estão perdendo a oportunidade de utilizar
a tecnologia a seu favor.

5) Se você pudesse dar três conselhos para as empresas obterem sucesso com Marketing de Conteúdo, quais seriam?

Primeiramente, desenvolver a buyer persona de forma correta. A criação de buyer personas não é tão simples quanto parece. A construção de personas requer entrevistas com os clientes da empresa e potenciais consumidores, onde essas informações possam ser alinhadas com outros dados que a empresa já possui, como Analytics, redes sociais e outros dispositivos. Muitos profissionais de marketing acabam criando personas através de simples questionários enviados por email, o que torna a criação das personas muito superficial.

Segundo, trabalhar o conteúdo de forma colaborativa, alinhando os departamentos de vendas e marketing, conhecido como Smarketing. De acordo com um estudo realizado pela Aberdeem Group, nos Estados Unidos, as empresas que trabalham as equipes de marketing e vendas de forma
alinhada alcançam 20% de crescimento de receita anual. E, por último , utilizar a tecnologia para criar conteúdos altamente relevantes, conforme comentei anteriormente.

6) O que é a SharpSpring?

A SharpSpring é um software de Automação de Marketing focado em agências de Marketing Digital. Ela oferece um conjunto de ferramentas poderosas para automatizar, analisar e otimizar os esforços de marketing e vendas. A SharpSpring nasceu em Gainesville, na Flórida, e hoje conta com um time de mais de 150 funcionários, escritórios em Cape Town (África do Sul) e Genebra (Suíça). No Brasil a SharpSpring oferece suporte em português e tem sua sede em Santa Catarina.

7) Então a ferramenta ajuda agências digitais a fazer Inbound Marketing e reter seus clientes, sem perder a conta para a ferramenta?

A SharpSpring é a única plataforma de Automação de Marketing focada em agências de Marketing Digital. Oferecemos a opção white label, onde a agência pode inserir a sua logo na plataforma e fazer o branding com os seus clientes. A SharpSpring entende que o cliente da agência é dela e não
nosso, sendo assim, a agência tem total controle sobre o cliente, desde a negociação até a precificação.

8) Quais as principais vantagens que uma boa ferramenta de automação apresenta?

As ferramentas de Automação de Marketing oferecem diversas vantagens aos profissionais de marketing, entre as principais estão: automatizar as ações de marketing para criar um relacionamento oneonone com diversos contatos de forma personalizada, criar conteúdo altamente
segmentado com base no comportamento do visitante no site, comprovar o ROI das ações de Marketing e alinhar os departamento de Marketing e Vendas.

9) Quais os números da SharpSpring hoje?

Em apenas três anos a SharpSpring já está presente em 26 países. Atualmente contamos com mais de 750 agências parceiras em 5 continentes. No final de 2013, a SharpSpring foi adquirida pelo Grupo SMTP, um dos principais provedores de email marketing dos Estados Unidos, e isso trouxe à SharpSpring uma grande vantagem competitiva em relação à qualidade da plataforma e entregabilidade dos emails.

10) Algum recado final?

Atualmente, as pessoas têm o poder de consumir apenas os conteúdos que lhe interessam. Não vamos interromper mais o consumidor. Basicamente, vamos conversar com ele, explicar o produto e deixá-lo escolher naturalmente. Vamos dar todas as ferramentas, mas quem escolhe é ele. Na outra ponta, a empresa terá todo o “mapa” do consumidor (onde ele andou, o que buscou, quando ela vendeu, horários). A tecnologia e as ferramentas de hoje nos permitem ter uma infinidade de possibilidades para impactar os consumidores de forma mais assertiva.

Conheça a SharpSpring, ferramenta de automação de marketing focada em Agências Digitais >>>

.

.

Rafael Rez

Autor do livro "Marketing de Conteúdo: A Moeda do Século XXI", com 3.000 cópias vendidas nos primeiros 90 dias. Possui MBA em Marketing pela Fundação Getúlio Vargas (FGV) em 2013. Fundador da consultoria de marketing digital Web Estratégica. Além de Empreendedor e Consultor, é Professor de Pós e MBA em diversas instituições de ponta. Em 2016 fundou a Nova Escola de Marketing.

Comentar

Webinar 21 de fevereiro

Receba nosso melhor conteúdo no seu e-mail! | Inscreva-se:

x

Webinar ao vivo sem reprise: terça dia 21 de fevereiro as 15h

Como criar uma Estratégia de Marketing Digital na prática